18 abril, 2007

Bienal do Livro em Salvador

O tapete vermelho estava lá estendido! Por todos os lados, da entrada a saída, em todos os corredores. Esperava quem? Aqueles que podem financiar o acesso e compra de bons livros!!!
Essa foi a minha impressão quanto a Bienal em Salvador.
A prefeitura de Salvador lançou no ano de 2007 o “ano municipal da leitura”, o governo do estado patrocina a Bienal do livro.E o que não é muita surpresa, para quem se propõe a visitar e conhecer as novidades quanto a lançamentos de livros tem que pagar o acesso. Fica evidente a falta de articulação entre governo e prefeitura.
Nesse contexto, se levarmos em consideração que volta e meia, encontramos pesquisas que mostram a falta de interesse por leitura, e que eventos como estes ao meu ver, tem a finalidade de incentivar esse interesse, podemos dizer que esse incentivo vai “pelo ralo”. Pois não são todos que tem condições de financiar o acesso a uma feira de livro. Nessa perspectiva é que associamos a leitura ao poder, e nesse caso o “poder financiar, poder ter acesso, poder desfrutar dessa cultura”.
Agora falando da bienal em si! Muita organização, disso não posso negar! Para a criançada historinhas a todos os gostos e preços ! Para o público jovem idem! Bons livros alguns muito caro, outros nem tanto!!!
Espaço para conversas, espaços reservados para debates. Em um desses espaços, tive a oportunidade de ouvir o Professor Nelson Pretto, conversando conosco na Arena Jovem.
U ponto interessante na fala de Pretto foi quando este levantou a questão d uso das tecnologias da comunicação e informação, nunca se leu e escreveu tanto. Ouvimos muito pais, professores, familiares dizendo: “aquele menino não sai da frente do computador! Não pára para ler um livro, não pára para estudar!” Nelson ressaltou: E quem disse que ali ele não esta lendo? Quem disse que ali ele não esta escrevendo?
É lógico que está! Imagine horas e horas em um orkut, em um MSN, em leituras e respostas de e-mail.E os blogs? E os fotologs? O que percebemos é que essa geração esta lendo muito, escrevendo mais ainda!
Claro que não podemos generalizar e dizer que isso são para todos. Ainda não! Porque ainda nos deparamos com os problemas de acesso, da exclusão da cultura digital. Nos deparamos também com índices alarmantes de analfabetismo funcional.
Porém, mesmo com todas essas questões, temos que pensar que para essa geração, os tempos mudaram, que como ressalta o professor Nelson, essa é a geração “Alt+tab”. Faz-se tudo ao mesmo tempo, tem essa dinâmica de estar ali, acolá, e concentrados, e conectados...
Um outro ponto que sempre ouvimos, quando falamos das tecnologias é que futuramente não existirá mais livros, não existirá mais bienal, etc e tal. Eu particularmente não acredito nisso!Não entendo essa lógica de substituição: de substituir o computador pelo livro. Precisamos ler, escrever, pesquisar com as tecnologias? Claro que sim! Más também precisamos do impresso. Acredito sim, em um auxiliando o outro, e não um substituindo o outro.
Enfim, alguns outros pontos foram levantados nessa conversa maravilhosa! Quem não pode “pagar”, posso dizer que perdeu! Más foi sugerido na próxima bienal, se ter uma transmissão dessas conversas. E aí quem sabe, entra em cena nossa Radio Faced? Pelo menos já foi disponibilizada por Nelson.
Depois fomos, conhecer a Bienal, rodar, rodar e rodar...Ah! E registrar tudo também! E aí estão nossos registros fotográficos
...


Um comentário:

Lary disse...

Oi amiga,

Tb concordo com vc com relação ao uso das tecnologias em consonância ao impresso. Esta questão de substituição no meu VOCABULARIO como educadora não existe. Nada substitui nesta vida, não é mesmo??? Cada coisa tem seu valor, assim como o impresso tem o seu, a espessura, a capa (risos), o "pegar", o rabiscar (qdo o fazemos isso!), o cheirinho da impressão..risos... e as tecnologias (pc princinpalmente) tem suas qualidades tb.

Sobre a Bienal, sabemos que nossa Bahia ainda falta e mt p melhorarmos em questões de eventos como este. Mas estamos indo não acha?

O tapete vermelho..risos... ainda nao fui p ver, mas deve lembrar isso mesmo q vc falou: a grana, a importância de estarmos pagando por uma feira de livro e por um estacionamento... q absurdo né?

Bem, no mais, amei as fotos!

Dê lembranças ao pessoal do Gec, ok?

Beijocas e td de bom!

Domingo te falo do que achei da Bienal e dos livros que comprarei.. isso se eu comprar, risos;;;

Fui....

Lary